sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Plano de Ação da Orientação Educacional para o terceiro bimestre 2010

ESCOLA MUNICIPAL DO BAIRRO JARDIM DAS ROSAS


RUA BUGARIM, 380 JARDIM DAS ROSAS 3533-1336

32400-000 IBIRITÉ-MINAS GERAIS





































PLANO DE AÇÃO DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

(SOE)





































BRENO JOSÉ DE ARAÚJO

ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO BÁSICA, Orientador Educacional











IBIRITÉ – MINAS GERAIS

2010













Introdução















A atividade do Serviço de Orientação Educacional tem como foco principal a APRENDIZAGEM DO EDUCANDO visando o seu SUCESSO ESCOLAR. Nessa visão é de fundamental importância que todos os seguimentos da escola estejam envolvidos e comprometidos com o sucesso do educando.

A estratégia adotada para garantir a Aprendizagem e o Sucesso do educando é o acompanhamento do processo escolar e o monitoramento das atividades escolares e dos deveres de casa com contato freqüente com as famílias. Garantindo assim certo controle do que é feito, como esta sendo feito e o que é preciso mudar numa interação constante das partes envolvidas.

Essa estratégia e respaldada legalmente pelas leis 9.394/96 e 8.069/90 bem como de regulamentações da Secretaria Municipal da Educação de Ibirité e legislações correlata Federal e Estadual.





Reflexão



“Ensino porque fui capaz de aprender, aprendi porque busquei. Educo, porque continuo a cada dia sendo educado. Aprender é investir de desejos num objetivo de estar sempre aprendendo.” Freud

































Objetivo Geral







Acompanhar o educando para que alcance o sucesso escolar nas dimensões sócio-afetivas e pedagogicamente no seu contexto histórico onde está inserido.









Objetivos Específicos









• Identificar os educandos de baixo rendimento escolar;

• Identificar os educandos infreqüentes;

• Estabelecer contato estreito e freqüente com as famílias;

• Propor um Plano de Intervenção Pedagógica para os alunos de baixo rendimento;

























































Ação Pedagógica do Orientador Educacional na escola



Documentos e Instrumentos de registros (em anexo)



1. Escola: aventura do conhecimento! Texto inaugural onde é trabalhada a conscientização sobre o que a escola espera do aluno e como ele deve proceder para aprender o conteúdo ensinado nas aulas;

2. Regimento Interno – 2010. Fragmento do Regimento da escola onde apresenta as normas disciplinares para o aluno;

3. Estudar. Texto de reflexão e estudo da orientação educacional para continuidade do trabalho;

4. Ficha de Auto-Avaliação Atitudinal e Procedimental. Onde os alunos fazem um análise de como estão procedendo em relação aos estudos e comportamento na escola;

5. Cartilha Informativa para pais e alunos. Texto entregue aos pais na primeira reunião de pais apresentando as regras da escola e informações complementares;

6. Comunicado aos professores: caderno de ocorrências. A escola tem um caderno de ocorrências por turma onde os professores relatam todas as atitudes inadequadas em que os alunos incorrem;

6.1 Ficha de Acompanhamento Atitudinal e Comportamental. Nela são registradas as ocorrências presentes no Caderno da turma para relatar às famílias;

7-Comunicado de atraso à escola. Onde são comunicados os atrasos dos alunos para providencias da família;

8- Comunicado de infrequencia consecutiva;

9- Comunicado de infrequencia alternada;

10-Comunicado de infrequencia alternada justificadas;

11-Convocação para comparecimento do responsável (1,2 e 3);

14-Comunicado aos pais;

15- Comunicado aos pais para o terceiro bimestre e acompanhamento escolar. A estratégia do uso de seis cadernos separados é uma proposta pedagógica da escola que percebemos ser eficaz na garantia de aprendizagem dos alunos;

16- Termo de Compromisso Escolar para deixar claro o que a escola pretende do aluno e que o aluno precisa fazer, saliente que o Termo retoma tudo o que foi trabalhado desde o início.

17-Metodologia de ensino: Para estabelecer uma mesma linguagem entre o que a orientação educacional fala e a escola faz.

























O que faz o Orientador Educacional na Escola?





Hoje, a atuação do Serviço de Orientação Educacional (SOE) está situada no contexto mais crítico, mais reflexivo da própria realidade educacional. Há um grande desafio para o Orientador Educacional, caracterizado por uma mudança radical na proposta de suas funções, que deixa de enfatizar, em primeiro lugar, a ajuda que se deve prestar ao aluno nos seus desajustamentos emocionais, para se fixar numa função mais política, mais social, que se preocupa com a escola como um todo e com o compromisso que o orientador deve assumir com o momento histórico, com a formação do cidadão mais consciente, crítico e participativo.



Desta forma, atuação do SOE tem se voltado para promover a ação-reflexão da prática escolar, integrando as ações educativas de forma a facilitar as relações de aprendizagem, promover a socialização do conhecimento, ampliando as possibilidades do aluno de compreender e agir no mundo como cidadão crítico e participativo, elementos essenciais para a democratização da escola pública.



O SOE tenta, de alguma forma, abrir espaço no sentido de garantir o direito à voz do educando, por entender que só ocorre o processo educativo a partir de uma relação na qual o aluno entra, não apenas como objeto, mas também como sujeito do processo ensino-aprendizagem. Enquanto sujeito, ele deve ter o direito de participar ativamente do processo, tornando-se co-produtor da atividade pedagógica, bem como ter seus deveres como força geradora do seu ser como pessoa.













































ESCOLA MUNICIPAL DO BAIRRO JARDIM DAS ROSAS Ibirité, 28 de janeiro de 2010.

ORIENTAÇÕES SOBRE O TRABALHO PEDAGÓGICO 2010.

BRENO – ORIENTADOR HORÁRIO: DE 6H ÀS 12H

Dentre outras funções do serviço pedagógico destacam-se as seguintes: Fazer a entrada dos alunos e conferir o uniforme.

 Conversar e orientar os alunos sobre as regras da escola e a disciplina.

 Atender os alunos encaminhados pelos professores.

 Dar um retorno aos professores sobre os casos encaminhados.

 Fazer relatórios dos alunos e encaminhá-los ao Conselho Tutelar.

 Informar aos pais e Conselho Tutelar os casos de infrequencia e indisciplina de alunos.

 Realizar dinâmicas educativas envolvendo os alunos.

 Orientar a escolha de líderes de turma e instruí-los.

 Fazer relatórios e encaminhar alunos para tratamento psicológico.

 Distribuir o caderno de bordo e recolhe-lo todos os dias.

 Conferir as anotações no caderno de bordo e tomar as providências cabíveis.

 Atender aos pais de alunos e quando necessário chamar os professores e o aluno para conversar.

 Ajudar a olhar o recreio.

 Participar e dirigir Reuniões Pedagógicas e Conselho de Classe.

 Sugerir e orientar projetos. (Sexualidade, Respeito, Cidadania, Ética, etc).

 Alertar alunos e pais sobre notas e freqüência.

 Fazer visitas periódicas às salas para observar a organização e a disciplina.

 Emitir relatórios sobre os alunos.

 Fazer gráficos e análise de notas/rendimento/matérias críticas.

 Articular com a supervisora ações para melhorar a prática pedagógica na escola.

 Repassar à direção casos graves de indisciplina e desrespeito de alunos para com os professores ou funcionários da escola.

 Participar da reunião de pais e alunos.

 Auxiliar a construção do PPP - Projeto Político Pedagógico da Escola.

 Orientar e acompanhar Olimpíadas e Avaliações Sistêmicas (SIMAVE, SAEB e PROALFA) Atenciosamente,

______________________________________________

Marcos José de Oliveira Pinto - Diretor







PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRITÉ

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CALENDÁRIO ESCOLAR ENSINO FUNDAMENTAL - 2010



JANEIRO FEVEREIRO MARÇO

D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

1 2F 1 2 3 4 5 6 1 2 3 4 5 6

3F 4F 5F 6F 7F 8F 9F 7 8 9 10 11 12 13 7 8 9 10 11 12 13

10F 11F 12F 13F 14F 15F 16F 14 15 16 17 18 19 20 14 15 16 17 18 19 20

17F 18F 19F 20F 21F 22F 23F 21 22 23 24 25 26 27 21 22 23 24 25 26 27

24F 25F 26F 27F 28F 29F 30F 28 28 29 30 31

31F Dias Letivos: - Dias Letivos: 15 Dias Letivos: 22

Dias Escolares: - Dias Escolares: 02 Dias Escolares: 01



ABRIL MAIO JUNHO

D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

1 2 3 1 1 2 3 4 5

4 5 6 7 8 9 10 2 3 4 5 6 7 8 6 7 8 9 10 11 12

11 12 13 14 15 16 17 9 10 11 12 13 14 15 13 14 15 16 17 18 19

18 19 20 21 22 23 24 16 17 18 19 20 21 22 20 21 22 23 24 25 26

25 26 27 28 29 30 23 24 25 26 27 28 29 27 28 29 30

Dias Letivos: 18 30 31 Dias Letivos:21 Dias Letivos: 21

Dias Escolares:02 Dias Escolares: - Dias Escolares:01



JULHO AGOSTO SETEMBRO

D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

1 2 3 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4

4 5 6 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 5 6 7 8 9 10 11

11 12 13 14 15 16 17 15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18

18 19 20 21 22 23 24 22 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25

25 26 27 28 29 30 31 29 30 31 26 27 28 29 30

Dias Letivos: 12 Dias Letivos: 22 Dias Letivos: 21

Dias Escolares:01 Dias Escolares: - Dias Escolares:01



OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO

D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S

1 2 1 2 3 4 5 6 1 2 3 4

3 4 5 6 7 8 9 7 8 9 10 11 12 13 5 6 7 8 9 10 11

10 11 12 13 14 15 16 14 15 16 17 18 19 20 12 13 14 15 16 17 18

17 18 19 20 21 22 23 21 22 23 24 25 26 27 19 20 21 22 23 24 25

24 25 26 27 28 29 30 28 29 30 26 27 28 29 30 31

31 Dias Letivos:16 Dias Letivos:20 Dias Letivos:12

Dias Escolares:01 Dias Escolares: - Dias Escolares:03



Legenda: Observações:

Início e Término do ano Escolar Reunião Pedagógica/ Adm.: 01e 26/02, 29/04, 10/07, 02/10

Início e Término do ano Letivo Assembléia Colegiado: 06/03, 21/12

Feriados Recuperação Final: 20 e 21/12

Recessos Arraial Estudantil: 19/06

Sábado Letivo Aulas de segunda-feira: 19/06, 11/09, 06/11

Reunião Pedagógica/ Escolar Final de Bimestre: 20/04, 02/07, 30/09, 17/12

Conselho de Classe/ Escolar

Assembléia Colegiado

Final de Etapa

F Férias Total de dias letivos: 200 dias

Total de dias escolares:12 dias

Assinatura e Carimbo

_______________________________ _____________________________



Secretária Municipal de Educação Inspetor(a) Escolar

Ibirité, ________ de _________________ de__________.



Cronograma de atividades para o terceiro bimestre



AGOSTO



DIAS ATIVIDADES

02 a 06 Recolher os boletins; Tabular nota do primeiro semestre; Divulgar boletim informativo à comunidade escolar sobre o rendimento da escola; Contabilizar faltas do primeiro semestre; Enviar comunicado às famílias sobre as faltas; Comunicar ao Conselho Tutelar todas as faltas elevadas; Analisar situação dos alunos encaminhados ao conselho tutelar;

09 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 501 e Reunião de pais

10 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 601 e Reunião de pais

11 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 602 e Reunião de pais

12 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 701 e Reunião de pais

13 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 702 e Reunião de pais

16 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 801 e Reunião de pais

17 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 802 e Reunião de pais

18 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 901 e Reunião de pais

19 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 902 e Reunião de pais

20 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 903 e Reunião de pais

23 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 904 e Reunião de pais

24 Contato com as turmas em grupos de 06 alunos: 905 e Reunião de pais

25 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 501

26 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 601

27 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 602

30 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 701

31 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 702



Setembro

01 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 801

02 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 802

03 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 901

08 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 902

09 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 903

10 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 904

13 Visto nos cadernos dos alunos que perderam médias 905

14 Divulgação do calendário de provas bimestrais

15 a 17 Convocação dos pais dos alunos de baixo rendimento.

20 a 24 Aplicação de provas bimestrais

25 Conselho de Classe

27 a 30 Acompanhamento da recuperação final da etapa



Agosto e setembro Atividades diárias de receber os alunos na entrada, fiscalizar uniformes, registrar atrasos, atendimento às famílias, observar o recreio, substituir professor ausente, atender alunos encaminhados pelos professores, contatos telefônicos com as famílias e outras atividades solicitadas pela direção e supervisão pedagógica.



























REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



• Guia da Educação em Família, 77 ideias para melhorar o desempenho escolar do seu filho. Educar Pra Crescer. Todos pela Educação.Editora Abril. 2010.

• Desempenho dos alunos reflete o apoio da família. Amae Educando. Ano 41. no 354 abril 2008.

• Como ajudar seu filho na escola, dicas para melhorar o desempenho escolar. Editora Melhoramentos. 2006.

• Como Estudar, o clássico manual para estudantes de Morgan e Deese. Biblioteca Pedagógica Freitas Bastos. 1983.

• Dez Fatores para uma educação de qualidade para todos no século XXI, Cecíia Braslavky, Fundacion Santilana. Editora Moderna. Monografia. Madri 2005.

• Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996.

• Parecer 1131/97 Conselho Estadual de Educação. Dispõe sobre a Educação Básica nos termos da Lei 9394/96.

• Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90.

• A Prática do Planejamento Participativo. Danilo Gandim. 10 edição Editora Vozes.1994.

• Planejamento Dialógico, como construir o Projeto Político-Pedagógico da escola. Paulo Roberto Padilha. Editora Cortez. 2008.

• Planejamento sim e não. Francisco Whitaker Ferreira. Paz e Terra.1988.

• Planejamento de ensino e avaliação. Clodia Maria Godoy Turra ET. Ali. Coleção Livro-Texto. PUC-Emma. 1975.

• Planejamento em orientação educacional. Heloisa Luck. Editora Vozes. 1991.

• Escola e Democracia. Dermeval Saviani. Autores Associados 1993.

• Avaliação do Rendimento Escolar. Clarilza Prado de Souza (org) Papirus Editora.1994.

• Trabalho Escolar e Conselho de Classe. Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben. Papirus Editora.1994.

• Saber escolar, currículo e didática, problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. Nereide Saviani. Autores Associados.1998.

• Sumário de Didática Geral. Luiz Alves de Mattos. Gráfica editora aurora. 1975.

• Gestão Educacional, uma questão paradigmática. Heloisa Luck. Vozes.2008.

• Orientação Profissional, um diagnóstico emancipador.Selma Garrido Pimenta. Loyola. 1986.

• Orientação Educacional. Maria Junqueira Schmitdt e Maria de Lourdes de Souza Pereira. Agir. 1963.

• O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. Nilda Alves e Regina Leite Garcia. Loyola. 1986.

• Orientação Educacional, uma experiência em desenvolvimento. E.P.U 1984.

• http://circulofamilia.blogspot.com

• www.cronicasdeesperanca.blogspot.com

• www.saberfazer.blogspot.com

• www.inep.gov.br

• www.mec.gov.br

• www.educacao.mg.gov.br

• www.novaescola.org.br



2 comentários:

  1. Olá esse plano de orientação educacional porém ficou muito bem estruturado, uma chave essencia par a orientação desse profissional atuar em uma escola com entusiasmo.

    ResponderExcluir

TELEFONE DE CONTATO

(31)3533-6368

Custa Estudar?

Relação entre família e escola

Objetivo do blog

Divulgar para a comunidade escolar como funciona a escola.

Escola Municipal do Bairro Jardim das Rosas

Escola Municipal do Bairro Jardim das Rosas

Escola e Democracia

Dermeval Saviani em sua obra: Escola e Democracia – polêmicas do nosso tempo diz:

Uma pedagogia articulada com os interesses populares valorizará, pois, a escola; não será indiferente ao que ocorre em seu interior, estará empenhada em que a escola funcione bem; portanto, estará interessada em métodos de ensino eficazes. Tais métodos se situarão para além dos métodos tradicionais e novos, superando por incorporação as contribuições de uns e de outros. Portanto, serão métodos que estimularão a atividade e iniciativa dos alunos sem abrir mão, porém, da iniciativa do professor; favorecerão o diálogo dos alunos entre si e com o professor mas sem deixar de valorizar o diálogo com a cultura acumulada historicamente; levarão em conta os interesses dos alunos, os ritmos de aprendizagem e o desenvolvimento psicológico mas sem perder de vista a sistematização lógica dos conhecimentos, sua ordenação e gradação para efeitos do processo de transmissão-assimilação dos conteúdos cognitivos.